sexta-feira, 15 de junho de 2012

A FUGA DAS GALINHAS

NOTA 10,0

Com animação tradicional
aliado a um roteiro inteligente,
longa prova que desenhos também
são negócios de gente grande
Talvez nunca ninguém imaginasse, mas simples galinhas um dia conseguiram fazer muito mais sucesso que astros de carne e osso e protagonizaram um dos melhores desenhos de longa-metragem de todos os tempos. No final dos anos 90, o terreno para as animações feitas em computador praticamente do início ao fim já estava preparado e os desenhos tradicionais já não chamavam mais atenção, porém, ainda havia pessoas que acreditavam que imagem não é tudo e que um bom roteiro salvaria qualquer técnica arcaica. Na base do stop-motion, o bom e velho recurso de trabalhar com bonecos de massinha, é que foi projetado A Fuga das Galinhas, um excepcional trabalho voltado ao público infantil, mas que já adiantava a tendência de que desenho animado deveria agradar também aos adultos que então não usariam mais a desculpa que assistiam produções do tipo por causa das crianças. Definitivamente as animações estavam virando programa de gente grande. O roteiro inteligente é uma colcha de retalhos que alinhava sequências inspiradas em clássicos filmes de guerra, só que a guerrilha aqui é entre galináceas e uma dupla de humanos. A granja da Sra. Tweedy durante o dia parece aparentemente normal, mas a noite, enquanto os humanos dormem, o galinheiro fica agitado. As galinhas que vivem lá sonham com uma vida melhor e não se conformam com o triste fim de virar assado quando pararem de produzir ovos. Uma delas é a inteligente Ginger que está elaborando planos para que todas escapem voando para fora da cooperativa. O único problema é que as galinhas não podem voar mais que alguns centímetros acima do chão, suas asas produzem movimentos limitados. Todas as tentativas de fuga são frustradas e a preocupação aumenta quando a dona da granja compra uma máquina de fazer tortas de frango para aumentar seus lucros, o que indicaria que um número maior de galinhas perderia a vida todos os dias.  Porém, a salvação cai literalmente do céu. Um belo dia, Rocky, um galo persuasivo e conhecido por suas façanhas no ar, aterrissa na granja por acaso. Ele estava fugindo de seus donos circenses e as galináceas aceitam a permanência dele naquele território com uma condição: ele deve ensiná-las a voar. O canastrão aceita a proposta, mas conforme o tempo passa o cerco fecha e todos aqueles animais correm o risco de morrer naquela espécie de campo de concentração. Mesmo assim, com trabalho de equipe, determinação e um pouco de sorte, o bando destemido trama uma última tentativa para conseguir a liberdade. A idéia básica deste desenho surgiu do longa Fugindo do Inferno, protagonizado por Steve McQueen, no qual um grupo de soldados tentam de todas as maneiras escapar de um campo de concentração, premissa que já foi usado em muitas outras produções de guerra, mas talvez pela primeira vez adaptada para o universo infantil. Há ainda espaço para satirizar Indiana Jones, Guerra nas Estrelas, entre tantos outros títulos de sucesso e clichês do cinemão americano, porém, mesmo quem não tem um amplo conhecimento cinematográfico ainda irá conseguir dar boas gargalhadas. Até política entra no meio do sarro com a citação da velha rixa existente entre americanos e ingleses.

O longa já nasceu com pinta de cult graças aos nomes de Peter Lord e Nick Park que assinam a direção e o roteiro depois de décadas da fundação do estúdio Aardman especializado em animações stop-motion. Após dois curtas premiados com o Oscar e o sucesso da dupla Wallace e Gromit que futuramente ganharia o próprio filme, eles estrearam em grande estilo no campo dos longas-metragens, mas contando com o apoio de Steven Spielberg e sua empresa Dreamworks para atingir distribuição mundial. O resultado é um delicioso desenho que chegou aos cinemas como um sopro de originalidade em um cenário dominado pela computação gráfica. Para os adultos esta é uma chance de voltar no tempo e lembrar o quanto são encantadores os trabalhos quase artesanais e ainda com o incremento de um roteiro inteligente e repleto de ótimas piadas, inclusive visuais. Para as crianças, a mudança de ares é bem-vinda, até para que elas tenham consciência de que o mundo não se resume a imagens perfeitas criadas em um ambiente virtual que sempre impressionam visualmente, mas muitas vezes deixam a desejar no quesito emoção. Em tempos em que o computador facilita tudo, trabalhar com massinhas e criar dezenas de moldes para cada personagem são opções ousadas dos realizadores que ao longo de três anos não pouparam esforços para atingir resultados perfeitos e criar uma identidade única ao projeto. Só de pensar que cada franguinha é um boneco feito de forma artesanal e animado quadro a quadro já são motivos suficientes para cobrir de elogios este trabalho que nos presenteia com tipos repletos de detalhes a serem analisados e cada um com personalidade distinta. Até mesmo os vilões da trama conseguem a simpatia do público, muito por conta do contraste visual e de comportamento de cada um. A senhora Tweedy é alta, magra e ardilosa enquanto o senhor Tweedy é totalmente o oposto, baixinho, gordinho e bobão. Além da esperta Ginger e do galanteador Rocky, a mocinha nada indefesa e o herói frouxo, mais uma boa sacada dos criadores, vale destacar também Babs, uma galinha com um impagável bordão e que vive fazendo tricô, além da dupla de roedores Nick e Fetcher que só pensam em se dar bem na vida e se divertir às custas dos outros. Claro que ninguém na Terra faz milagres e a perfeição dos desenhos é graças a alguns vários cliques no mouse e arremates via computador. Algumas trucagens e simulações de cenas foram feitas em ambiente virtual, assim como a remoção de fios e outros acessórios que sustentavam os bonecos reais.

Os anos passam, mas o tempo não consegue tirar o charme, o brilho e a inteligência deste desenho que, diga-se de passagem, parece ter agradado muito mais ao público adulto que o infantil, até porque a técnica do stop-motion é uma lembrança da infância de muito marmanjo. Infelizmente, as crianças das novas gerações acostumaram-se demais à adrenalina e ao espetáculo visual oferecido pelas produções moderninhas e agora temos até os efeitos 3D para dar continuidade a lavagem cerebral precoce, embora nem os mais velhos estejam imunizados de tal epidemia. Não que tais produtos não devam existir, mas tudo que é demais traz efeitos colaterais. Uma criança acostumada a sempre ver o mesmo estilo de filme, de traço de desenho, acaba se fechando para outros conceitos e novidades, salvo quando eles são oferecidos literalmente conectados ao universo tecnológico. Park e Lord são artistas estranhos no ninho cinematográfico sem dúvidas. Além de preferirem trabalhos artesanais, eles também não se preocupam com lucros extras que um filme pode gerar, tanto é que não se teve notícias de brinquedos e outros produtos licenciados com os personagens desta obra, a não ser peças de distribuição gratuita para promoções da própria empresa distribuidora do título em cada país. Fica claro que eles seguem uma linha de trabalho mais preocupada com a educação. Não é de hoje que as crianças estão espertas demais, mas também não é preciso ser radical e cortar o colorido de suas vidas para tornarem-se adultas rapidamente. Canções chatinhas não estão presentes e até um personagem extremamente infantil, Little Nobby, um pintinho que seria o irmão mais novo de Ginger, foi limado na versão final do roteiro, todavia, a narrativa foi construída cuidadosamente para não ofender a inteligência dos pequenos e tampouco de seus acompanhantes mais velhos. Trazendo metáforas e ideias subliminares sobre confiança, obstinação, convivência, tolerância e, obviamente, o direito da liberdade, A Fuga das Galinhas é sem dúvida um marco cinematográfico que tinha tudo para ganhar ao menos uma sequência, mas seguindo a linha de pensamento dos diretores, qualidade em primeiro lugar, tal ideia deve ter sido cogitada apenas em off entre os distribuidores que torciam por uma segunda aventura das galináceas. Daria lucros certamente, mas seria difícil ofuscar o original e poderia ocorrer o pior: transformar um belo trabalho em um refém do consumismo. Às vezes menos é mais e neste caso muito mais. Pena que não havia o Oscar de Melhor Filme de Animação na época. Ganharia fácil, até porque já tinha sido indicada ao Globo de Ouro de Melhor Comédia e a concorrência da categoria seria fraquíssima.
Animação - 84 min - 2000 - Dê sua opinião abaixo.

3 comentários:

Rafael W. disse...

Divertida animação.

http://cinelupinha.blogspot.com/

marcos disse...

fuga de galinhas e um galo metido a voador, nada haver né, mas o filme se torna um clássico pelo valor a liberdade, é 10, recomendo, tem aventura, romance, ação e uma dose de terror,...
Já passou a época que animação era somente para crianças, atualmente possuem roteiros de adultos e melhor brilhantes como este...

Vetor Polessi disse...

A Fuga das Galinhas é cheia de feitos incríveis,como uma protagonista feminina forte,mensagens motivacionais,reflexivas e pertinente,paralelos com o holocausto judeu e aliando tudo isso a uma animação em stop motion muito bem executada.é um filme que impressiona com sua genialidade de entreter tanto crianças e adultos,tornando-a uma animação excelente.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...