sexta-feira, 18 de maio de 2012

KINSEY - VAMOS FALAR DE SEXO

NOTA 9,0

Cinebiografia de renomado
estudioso do sexo
surpreende pela forma em
que aborda polêmicas
Quem é esse tal Kinsey? Pouquíssimas pessoas fora do solo americano e das novas gerações sabiam algo a respeito de Alfred Kinsey até o lançamento de Kinsey – Vamos Falar de Sexo, mas certamente muita gente, ao menos em nosso país, se sentiu atraída a conferir esta obra devido a palavra sexo contida no subtítulo nacional, uma idéia eficiente, porém, ambígua. O assunto principal do longa são justamente as relações sexuais, mas quem decide assistir pensando que acompanhará uma história com cenas explícitas e quentes terá uma grande decepção. Esta é a cinebiografia de um cientista que causou frisson e polêmicas ao dedicar sua vida profissional a estudar o comportamento sexual dos seres humanos chegando às áreas mais libidinosas do assunto. O que era assunto proibido outrora continuava em 2005 pelo jeito. Foi difícil um estúdio aceitar realizar o projeto e alguns grupos conservadores, principalmente nos EUA, fizeram campanha contra o longa. Ao contrário de outros projetos inspirados em fatos reais, não temos aqui a narrativa esquemática em que é perceptível sabermos de antemão qual estágio da vida do homenageado está sendo apresentada a cada ato, muito porque pouco ou nada conhecemos dele, mas também somos poupados do manjado recurso de as últimas cenas serem dedicadas a esmiuçar os caminhos que cada personagem tomou. A narrativa é entremeada por um tipo de interrogatório não só colocando na berlinda o protagonista, mas também pessoas que se submeteram aos seus atípicos estudos sobre o sexo, e também adota uma estrutura convencional mostrando rapidamente sua juventude, focando muito mais em seu auge e declínio profissional e felizmente nos poupando de sua morte ocorrida em 1956, pequenos detalhes que diferem a produção no surrado campo das cinebiografias. Curiosamente, Kinsey (Liam Neeson) era um ignorante sobre sexualidade em sua juventude devido ao conservadorismo e puritanismo imposto por seu pai, o pastor Alfred Seguine Kinsey (John Lithgow), com quem ele não se relacionava bem. O rapaz era visto com um sonhador ou desocupado pelo patriarca da família por se dedicar a catalogar espécies de insetos, mais especificamente vespas, e estudar seus hábitos e comportamentos de vida e de reprodução. Ele chega a fazer um estudo com milhares destas criaturas e chega a conclusões relevantes, mas o mundo da biologia não rendia dinheiro e parecia que nem mesmo os envolvidos se entusiasmavam tanto quanto o jovem professor.
Fazendo valer a máxima de que quem se esforça um dia será recompensado, os estudos de Kinsey chamam a atenção de uma aluna sua, Clara (Laura Linney), uma jovem que pouco a pouco conquista o rapaz com sua curiosidade a respeito do mundo que ele respirava entre outras afinidades. Não demora muito e eles se casam, mas a relação inicialmente é prejudicada pela falta de entrosamento na cama. Kinsey é inexperiente e não sabia que tinha um órgão sexual um tanto avantajado, o que machucava a parceira, assim eles resolvem procurar ajuda médica. O que era um tabu é rapidamente solucionado e o biólogo finalmente descobre e se vicia no prazer carnal, mas ele não pensa nisso apenas para sua satisfação e leva o assunto para o campo profissional, adaptando os estudos que fez com os insetos para os humanos. Atônito com a falta de literatura especializada ou com as mentiras discursadas nos poucos livros e teses publicados, ele resolve na conservadora década de 1940 realizar um grandioso estudo de observação do comportamento sexual humano com base em relatos e imagens reais, sempre apoiado pela esposa que demonstra apreciar o assunto. Seu primeiro livro, “Sexual Behavior in the Human Male”, foi um estrondoso sucesso quando lançado em 1948, mas o estudioso queria abrir mais o leque de opções sobre o tema e passou não só a entrevistar e acompanhar homens, desde adolescentes até maduros. Mulheres, idosos, homossexuais, liberais, virgens, pedófilos, enfim todos os tipos de seres humanos possíveis serviram como base de seus estudos. Kinsey sempre tratou a todos com respeito e profissionalismo, mas após o impacto positivo de seu primeiro livro o fracasso pegou de surpresa sua carreira. O segundo livro enfocava a vida sexual das mulheres e gerou polêmicas por infringir as regras dos bons costumes e moldar um comportamento considerado inadequado para as damas, isso praticamente uma década antes da data considerada o marco da revolução feminina. Todavia, o inferno astral de Kinsey já mostrava sinais de que mais cedo ou mais tarde se manifestaria antes do fracasso de sua pretensiosa coleção de livros. Seus filhos já o criticavam pelo excesso de liberdade em falar sobre sexo a qualquer momento do dia e com quem quer que fosse e sua obsessão anormal por este estudo chamava a atenção.
São certas particularidades da vida do sexólogo que podem chocar muitas pessoas ainda hoje. Por exemplo, ele próprio se coloca em seu experimento testando o homossexualismo, assume tal atitude para a esposa e aceita que a própria prove o sexo fora do casamento com seu assistente, Clyde (Peter Sarsgaard), o mesmo que o levou para a cama algum tempo antes. O filme não mostra mais indica que houve um triângulo amoroso às claras, ou melhor, na mesma casa, tudo em nome da ciência como dizia Kinsey. Laura e Nesson estão perfeitos vivendo esse casal atípico e que serviria como um verdadeiro estudo de caso para o professor. Ele demonstra genialidade e entusiasmo quase o tempo todo, mas também deixa espaço para explorar a loucura velada de seu personagem. Enquanto isso, sua companheira de cena apresenta-se como uma mulher passiva embora moderninha, a esposa que obedece o marido em tudo, mas no caso o homem da relação é bem liberal o que a livra parcialmente das amarras de uma sociedade conservadora. Mesmo assim, ela tem seus momentos de expressar seu incômodo com tanta libertinagem, como quando o marido revela sua aventura com outro homem. Esta história escrita e dirigida por Bill Condon, que já havia investido no tema sexualidade no aclamado Deuses e Monstros, acerta por fazer uma boa apresentação dos personagens, apresentar o plot principal de forma elegante e que não choca tanto quanto o esperado, levantar discussões que mesmo após décadas ainda são polêmicas e principalmente por mostrar seu protagonista como um ser humano crível. Jamais Kinsey é elevado a categoria de herói merecedor de aplausos e tampouco rebaixado a uma vítima de uma sociedade hipócrita, os caminhos mais comuns das cinebiografias. Simplesmente ele é um homem que trouxe seus objetivos profissionais para o âmbito pessoal, ou vice-versa, que errou e acertou várias e várias vezes. Kinsey – Vamos Falar de Sexo toca em assuntos que ainda são tabus na contemporaneidade e assim se torna uma obra que de certa forma se comunica perfeitamente com a platéia de hoje em dia. Porém, é uma obra indicada a quem saiba processar mensagens e aproveitá-las para sua própria vida caso contrário muita gente sairá por aí fazendo o que quer sem pensar nas conseqüências. É bem complexa e reflexiva a mensagem do longa e aponta várias questões a serem discutidas. Viver na castidade é realmente um problema? O excesso de libido é uma doença? Se os prazeres carnais vividos das mais diversas maneiras fossem liberados despertariam tanto interesse como quando são proibidos? Ainda que estejamos em uma época cheia de convenções, a sociedade está menos conservadora? Só uma coisa é certa: poucas vezes um subtítulo foi tão empregado quanto neste caso. 
Drama – 118 min – 2004 – Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...