sábado, 7 de julho de 2012

FRESH - INOCÊNCIA PERDIDA

Nota 4,0 Drama faz relato da perda da inocência em ambiente hostil, mas peca pela morosidade

Só quem é criado na periferia sabe como é viver em meio a criminosos, drogas e a falta de pudor. Quem tem um padrão de vida melhor costuma ver a vida dos “desvirtuados” com um olhar mais malicioso, não pensando duas vezes antes de apontar comportamentos fora dos padrões como opção e não uma imposição. Falar sobre vidas fora-da-lei, principalmente quando envolve menores, é um tema complicado e polêmico e constantemente o cinema tenta desmitificar preconceitos. Tal onda não é recente, vem de longa data como mostra Fresh, longa de 1994 cuja trama gira em torno de Michael (Sean Nelson), um garoto negro de apenas 12 anos que apesar de muito inteligente acabou se envolvendo no tráfico de drogas. Morador da região do Brooklyn, na época assombrada por mafiosos, Fresh, como é chamado, acabou desiludido pelas dificuldades que a vida lhe impôs e se aliou ao traficante Esteban (Giancarlo Esposito) para sobreviver e ajudar a família, ou melhor, a tia Frances (Cheryl Freeman) que abriga menores desamparados. Desafiando as desigualdades e os perigos da rua, ele usa toda sua lábia para vender drogas a pessoas de classes sociais mais abastadas, mas não usa as substâncias e continua frequentando a escola, sinais de que tem juízo ao contrário de sua irmã mais velha Nichole (N’Bushe Wright) que parece não ter mais esperanças de mudar de vida e a cada dia declina mais na dependência química, principalmente agora que está envolvida com um traficante poderoso. De vez em quando Fresh se encontra com o pai Sam (Samuel L. Jackson), um alcoólatra que chegou ao fundo poço e vive como mendigo. Todavia esse homem é dotado de extrema inteligência e nos encontros com o filho o ensina a jogar xadrez e de quebra lhe dá importantes lições de vivência a partir de uma metáfora. Para ele a vida é como um tabuleiro no qual as peças devem ser movimentadas com muita cautela e raciocínio para conseguir vencer.

A metáfora do xadrez acaba sendo de suma importância para Fresh quando ele testemunha o assassinato de um colega da escola e se torna um alvo em potencial. Como em um jogo, o garoto desenvolve um engenhoso plano para se vingar do culpado e proteger sua vida e daqueles que o cercam, sentimento de solidariedade potencializado por uma primeira paixão juvenil. O diretor e roteirista Boaz Yakin, após um período de reclusão na França, voltava a fazer cinema em solo norte-americano onde ele assinou algumas produções obscuras e que não saíram da maneira que havia idealizado. Em Fresh ele se assegurou de que teria total controle do projeto, o que justifica a estética mais realista do longa que prima pelo uso de tons mais sóbrios nos figurinos, cenários e iluminação comum para exaltar o triste e metódico cotidiano do protagonista que mesmo estudando não enxergava possibilidades de um futuro melhor por meios legais. As primeiras cenas do longa são cuidadosamente desenhadas de modo a apresentar a rotina do personagem central, geralmente muito calado, mas com olhos e ouvidos atentos a tudo que o rodeia, como se fosse uma estratégia para se manter invisível e já demonstrando maturidade para se posicionar somente quando julgasse necessário, um desempenho excelente do então jovem ator Sean Nelson. Por outro lado, a atuação muito contida de Samuel L. Jackson acaba fazendo com que as sequências que divide com o protagonista soem como chatas lições de moral e comportamento, o que acaba comprometendo o restante da narrativa que pode entediar. Esta produção não conta com trilha sonora pesada, tiroteios e vozes exaltadas como estamos acostumados em obras do tipo, mas por outro lado alguns diálogos e cenas podem não ser bem digeridos por puritanos, como uma garota oferecendo sexo à Fresh em troca de um favor ou o garoto vendo a irmã seminua e maltratada pelo namorado. Estas são apenas algumas situações que infelizmente são corriqueiras em periferias, mas Yakin as insere no enredo de forma natural, afinal de contas seu foco é fazer um retrato de um ambiente degradante pela ótica de uma criança já corrompida, mas que ainda pode ter salvação e estender a mão a outros.

Drama - 114 min - 1994 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...