quinta-feira, 25 de outubro de 2012

A PARTILHA

NOTA 6,5

Apesar do ritmo irregular e

do jeitão de especial de TV,
longa entretém e se apoia no
talento e carisma das protagonistas

Boas ideias podem surgir em um estalar de dedos, mas suas realizações e sucesso podem depender e muito do momento em que são colocadas em prática e de quem aposta nelas. Em meados de 1987, durante as gravações da novela “O Outro” da Rede Globo, a atriz Natália do Valle cedeu um bom argumento para seu colega de elenco Miguel Falabella. A ideia era criar uma peça teatral abordando o reencontro de quatro irmãs completamente distintas para o enterro da mãe, ou melhor, para discutir a partilha dos bens dela. O loiro mil e uma utilidades imediatamente começou a trabalhar no roteiro, se uniu a mais uma colega da novela, Arlete Salles, e quatro anos depois a montagem estava estreando com os reforços de Susana Vieira e Thereza Piffer no palco. A peça ficou seis anos em cartaz, foi exibida em vários outros países e até Hollywood demonstrou interesse em adaptar os textos para as telonas, mas a preferencial era da casa. A Partilha demorou mais de uma década para chegar aos cinemas e até hoje divide opiniões. A produção tenta equilibrar humor e drama narrando o tal reencontro de irmãs liderado por Selma (Glória Pires), uma mulher reprimida que abdicou de uma profissão para viver ao lado do marido rígido e conservador que lhe impõem uma rotina cheia de regras. Diretamente de Paris regressa Lúcia (Lilia Cabral), uma perua que largou o marido e o filho no Brasil para se juntar a um estrangeiro que lhe proporcionaria a vida de luxos que sempre sonhou. Já Regina (Andréa Beltrão) faz o estilo hippie, sempre procurando auxílio no esoterismo e exaltando o direito à liberdade, principalmente sexual. Por fim, Laura (Paloma Duarte), apesar de ser a mais novas das irmãs, é a mais séria, tem planos profissionais bem definidos e ousou assumir um romance com outra mulher.

O termo tragicomédia cai como uma luva à esta produção que busca incessantemente o equilíbrio entre o humor escrachado e a emoção. Em um momento você pode estar gargalhando e rapidamente ficar com os olhos marejando de lágrimas, isso sem falar no incômodo nó na garganta que alguns devem sentir pela identificação com o motim do reencontro das protagonistas. O principal problema da divisão de bens é um antigo apartamento da falecida que está prestes a ser vendido a preço de banana, porém, para Selma o imóvel tem um grande valor sentimental e está emperrando as negociações. Quantas brigas e até tragédias em família já aconteceram por motivos semelhantes? O longa felizmente não descamba para o dramalhão e procura manter o astral em alta convidando o expectador a mergulhar nas memórias afetivas do quarteto de damas. Mesmo assim, não faltam discussões por causa de assuntos mal resolvidos do passado, intrigas e pelas opções de vida que cada uma fez. Em seu formato teatral o enredo se beneficiava do humor politicamente correto e tocava a plateia com boa dose de melancolia. O filme tenta manter a fórmula, mas acaba engessado no padrão Globo de qualidade e não podia ser diferente afinal é graças aos investimentos da emissora carioca que o longa tornou-se realidade. Por outro lado, também é compreensível a reclamação de alguns quanto a sensação de que assistir a esta produção é como acompanhar um capítulo de novela ou o episódio de algum seriado global. Daniel Filho, um dos mais famosos e respeitados diretores da televisão brasileira, voltava a fazer cinema após quase duas décadas de jejum. Com este filme daria início a uma galeria de sucessos, entre eles o estrondoso sucesso e Se Eu Fosse Você e sua continuação, todos seguindo uma mesma fórmula: muitas referências ao mundo televisivo, narrativa e edição rápidas, elenco principal compacto e o humor para escamotear mensagens edificantes. O resultado é um eficiente filme com cara de especial de fim de ano, o que para alguns soa como uma depreciação.

Realmente, o longa não é redondinho, tem os seus defeitos. Para rechear cerca de uma hora e meia, o roteiro abandona a agilidade do texto original e dilui os momentos de humor e dramaticidade em meio a subtramas paralelas desnecessárias. Evitando a claustrofobia de manter toda a ação dentro do tal apartamento da discórdia, a trama de Falabella, atualizada em parceria com o próprio Filho, o futuro autor de novelas João Emanuel Carneiro e o americano Mark Haskell Smith, apresenta coadjuvantes apenas citados na versão teatral, como um marido linha dura, um jovem revoltado com o descaso da mãe, uma lésbica a fim de viver um amor sólido, uma adolescente grávida, um corretor de imóveis metido a galã e até uma idosa babá cuja presença se justifica apenas como um ato de caridade. Todavia, tais personagens desaparecem diante do quarteto principal sendo até uma ofensa tentar apontar qual delas se sai melhor, até porque o entrosamento entre as atrizes era peça-chave para que o filme desse certo. Entretanto, Glória Pires tem um pouco mais de destaque, pois além de sua personagem ser o eixo de toda a ação ela também destoa pela seriedade com que encara a vida. Da mesma forma Laura vive seu cotidiano, mas seu romance homossexual em nada acrescenta para destacar a interpretação de Paloma Duarte. Já na pele de uma ensandecida dondoca Lilia Cabral pode parecer caricata em alguns momentos, mas aproveitou bem a chance para mostrar seus talentos cômicos. Por fim, Andréa Beltrão nem precisou se esforçar muito para viver uma hiponga, pois a própria já nos passa a impressão de ser despachada tal qual sua Regina. Sem ousadia de espécie alguma, Filho conduz seu trabalho simplesmente apostando suas fichas no talento e carisma das protagonistas. Com direito a um momento nostalgia ao som de “Dancin Days”, A Partilha cumpre o que promete oferecendo diversão ligeira e indolor. Esqueça as opiniões dos críticos especializados e da turminha anti-global e dê o braço a torcer. Este filme diverte muito mais que muita comediazinha boba americana que sabe-se lá como fazem sucesso. Deixe o preconceito de lado e partilhe seu tempo com o cinema nacional.

Comédia - 93 min - 2001

-->
A PARTILHA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Um comentário:

marcos disse...

a partilha é uma graça de filme, vale ser visto com certeza!

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...