sábado, 9 de fevereiro de 2013

LABIRINTO DO TEMPO

Nota 3,0 A exaltação de ter o poder de brincar com o tempo pode levar à caminhos perigosos
 
Sinopse: Três jovens se conhecem e fazem amizade em uma clínica de reabilitação para ex-drogados. Eles têm direito de vez em quando a saírem do confinamento por um dia para visitarem suas famílias e tentarem restabelecer os laços perdidos.  Kyle (Dustin Milligan) tenta se redimir com sua irmã enquanto Sonia (Amanda Crew) deseja visitar seu pai doente. Já Weeks (Richard de Klerk) vai encontrar seu violento pai na prisão que aparentemente está preso por algum motivo que envolve seu filho. Esse dia não é perfeito para nenhum deles, mas todos têm a chance de transformá-lo. Durante essa mesma noite eles acabam tomando um choque e a partir de então o tempo literalmente não passa. Eles vivem esse mesmo dia repetidamente, mas a cada novo despertar podem fazer algo diferente, o que quiserem, e no dia seguinte tudo voltará como estava. O problema é quando um deles exagera nessa brincadeira com o tempo.

Comentário: Em tempos em que as sociedades estão criando indivíduos cada vez mais individualistas, ter educação parece coisa do passado e todos agem e falam o que querem sem pensar nas consequências, não é difícil nos pegarmos em alguns momentos pensando como seria bom voltar no tempo e consertar os erros. O problema é ter este dom e não saber usá-lo. É esse o foco de Labirinto do Tempo, um pequeno suspense dirigido por Carl Bessai que tem uma premissa interessante e até consegue prender a atenção, mas quando chegamos à conclusão, para variar, o caldo entorna e nem o próprio roteirista Arne Olsen sabe como concluir sua história que acaba se tornando um círculo vicioso sem fim. A falha de esquecer um ponto crucial que deveria constar nos minutos finais acaba sendo o calcanhar de Aquiles da produção. Como se livrar desta maldição que acometeu os protagonistas quando levaram um choque elétrico? Pois é, esqueceram de dar esta resposta. Bem, descartando esse ponto, até que esse filme com pinta de produção B serve para entreter, afinal de contas toca em um ponto comum ao imaginário coletivo. No início, os jovens estranham viver o mesmo cotidiano do dia que passou, mas conforme tomam conhecimento de que podem aproveitar essas 24 horas de forma diferente eles passam a extravasar suas vontades, cometem alguns crimes, porém, aos poucos essa liberdade vai fugindo do controle, pelo menos para um deles, Weeks, que vai deixando seu lado mais violento aflorar e passa a cometer atos impensados. Obviamente chegará um momento em que tais mudanças em um único dia trará conseqüências graves no futuro. É a velha teoria do bater de asas da borboleta sendo aplicada no cotidiano. Uma batida a mais ou a menos no voo de uma mariposa mesmo que há centenas de anos atrás pode mudar drasticamente o futuro, um pensamento alegórico já exposto em outras produções do cinema. Curiosamente, este trabalho parece ter sido pensado para agradar ao público jovem, mas o clima melancólico do início e a predominância de tons acinzentados em quase todas as cenas podem ser fatores que afugentam tais espectadores. Todavia, não demora muito para a narrativa engrenar e tornar-se interessante, ainda que os dramas dos personagens com seus respectivos familiares sejam pouco explorados. Só é uma pena que termine de forma previsível e com furos, problemas que atingem a maior parte dos suspenses e com os quais infelizmente já nos acostumamos.
Suspense - 89 min - 2010 - Dê sua opinião abaixo.


Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...