sábado, 2 de fevereiro de 2013

OS CAVALEIROS DO APOCALIPSE

Nota 3,0 Boa premissa é desperdiçada em suspense que se perde em suas confusas explicações

Sinopse: Aindan Breslin (Dennis Quaid) é um investigador criminal que ficou recentemente viúvo e que agora está passando por um momento de crise na relação com seus filhos, principalmente com o mais velho, Alex (Lou Taylor Pucci), que não perdoa o pai por esle estar ausente quando sua mãe faleceu. Muito dedicado ao trabalho, agora o detetive está ocupando todo o seu tempo analisando diversos casos envolvendo mutilações e torturas que parecem estar ligados uns aos outros e relacionados ao mito dos quatro cavaleiros do apocalipse narrado na Bíblia. Todas as vítimas parecem ter sido alvos de um mesmo criminoso e conforme avança nas investigações Breslin descobre que pode haver uma conexão entre esses crimes que indica que sua família corre risco. A principal suspeita no caso é a filha adotiva de uma das vítimas, a jovem Kristen (Ziyi Zhang).


Comentário: Morte é um estado físico e a guerra é um estado mental. Tal pensamento é repetido várias vezes ao longo de Os Cavaleiros do Apocalipse, um título que poderia sugerir um filme épico, mas na realidade este é um thriller contemporâneo que usa como base a história dos quatro cavaleiros do apocalipse, os homens que foram enviados ao mundo para deflagrar o mal segundo consta na Bíblia. Os crimes apresentados lembram aos de Jogos Mortais devido a crueldade e sadismo praticados através da técnica da sustentação, um ato masoquista realizado geralmente por tatuadores em seus estúdios que tem entre sua clientela pessoas com boas profissões que pagam para terem alguns minutos de tortura numa espécie de gaiola nas quais são sustentadas por ganchos presos à pele. A atividade prazerosa para alguns no filme dirigido por Jonas Akerlund ganha ares de atos demoníacos, já que aparentemente existem pessoas sentindo prazer em ver outros indivíduos sofrendo até a morte reféns desses instrumentos. Porém, o estilo narrativo é mais próximo ao de Seven – Os Sete Pecados Capitais pelo motivo das investigações apontarem para coincidências bíblicas entre os assassinatos, atos possivelmente feitos por um grupo cujo nome é o mesmo do título. A certa altura o roteiro de David Callaham parece revelar o mistério muito antes do clímax, mas a tensão continua no ar (ou pelo menos deveria). Seguindo a história bíblica, quatro pessoas deverão ser sacrificadas, mas até então a quarta vítima ainda não foi encontrada e não se sabe nem mesmo se ela já foi submetida à tortura. Todavia, a narrativa começa a ficar cansativa e se perder nas explicações. Até meia hora de projeção, o longa chama a atenção pela violência explícita e uma trama que parece ser das boas, mas as coisas desandam com a entrada de Ziyi Zhang em cena com uma péssima atuação. Além de boa parte de o segredo ser revelado antecipadamente por causa de sua personagem, as cenas seguintes começam a ficar cansativas com muitas pistas falsas e desnecessárias sendo distribuídas. Existe também a intenção de ligar os crimes à família do personagem de Dennis Quaid, mas graças aos péssimos diálogos nada parece muito crível. O final não será revelado aqui, mas além dele não ser surpreendente, a justificativa apresentada para a série de assassinatos é das piores. Enfim, apesar da pinta de produção de gabarito do início e da boa premissa, tudo acaba sendo desperdiçado a favor de uma obra tipicamente B que por vezes nos enoja ou ofende, principalmente visualmente, mas como há gosto para tudo tem sempre alguém disposto a assistir bobagens do tipo. A quem curtir trash movies, divirta-se. Se não curte, fuja para não entrar em um estado de guerra.

Suspense - 90 min - 2009 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...