quarta-feira, 8 de maio de 2013

KING KONG (2005)

NOTA 10,0

Após uma trilogia de sucesso,
Peter Jackson não decepciona ao
ousar trazer para as novas
gerações um ícone do cinema
Em 1933, ele surgiu em versão stop-motion e em preto e branco em um filme que é considerado o pai do estilo arrasa-quarteirão de fazer cinema. Em 1976, ganhou uma superprodução, desta vez em cores, o que realçou seu impacto em tela grande, mas não o livrou de ser surrado pela crítica. Além destes longas, ele surgiu em outras dezenas de pequenas e trashs produções que levavam seu nome, todas totalmente esquecíveis. Essa figura até já passou por um combate com o famoso monstro oriental Godzilla em mais uma das pérolas que tentaram obter fama às suas custas. Tantas aparições certamente desgastaram sua imagem, mas o diretor Peter Jackson acreditava que ele ainda poderia ser aceito no século 21.  Um gorila gigantesco com alma bondosa e considerável dose de inteligência é o chamariz de King Kong, um filme declaradamente feito para entretenimento, o que gerou muitas discussões. A recente reinvenção da história do primata de tamanho descomunal foi aguardada com muita expectativa, fez bastante dinheiro, colheu prêmios por sua parte técnica, mas não escapou de críticas negativas, principalmente dos especialistas na área que procuraram as mínimas falhas para destilar seus venenos em jornais, revistas e sites. O que eles esperavam? Um drama existencialista e cheio de mensagens subliminares em uma obra cujo protagonista é um grande animal selvagem? Para aqueles que na época concordaram com os críticos, vale a pena ver mais uma vez, mas com olhar de espectador de fim de semana. Assim é possível entender o sentido desta aventura milionária ter sido feita e encontrar alguns aspectos interessantes que soam como homenagens. Jackson entregou uma produção ágil, divertida, cheia de efeitos especiais e jogou o espectador em um mundo repleto de situações fantásticas. O melhor de tudo é que esta história pode ser apreciada por uma parcela bem maior de público já que não é preciso ter conhecimento prévio dos personagens e local onde a ação se passa, pois tudo está concentrado em um único longa, o grande pecado das chamadas obras-primas do cineasta (a trilogia O Senhor dos Anéis). A história roteirizada pelo próprio diretor em parceria com Fran Walsh e Philippa Boyens é basicamente a mesma do original. Passado na década de 1930, época em que os EUA viviam a Grande Depressão, período em que milhares de pessoas tentavam sobreviver como podiam em meio a uma violenta crise financeira, o longa começa nos apresentando a Ann Darrow (Naomi Watts), uma atriz que procura emprego em um cabaré. Por um acaso do destino, eis que ela conhece Carl Denham (Jack Black), um cineasta com uma excelente proposta de trabalho. Quando ela embarca em um navio rumo a uma misteriosa ilha onde serão feitas as filmagens, ela se encontra com o conceituado roteirista Jack Driscoll (Adrien Brody) e ambos se apaixonam imediatamente, mas viver esse amor durante a viagem será algo impossível. Mal sabem eles os perigos que a tal ilha esconde. Lá eles são atacados por um grupo de nativos que precisam sacrificar um humano para afastar uma criatura do mal. Não é preciso ser adivinho para saber que a tal ameaça é King Kong e os perigos que estão por vir. Será mesmo?

As sequências de ação e adrenalina que Jackson criou são incríveis e é o que mantém o interesse no filme, já que a espinha dorsal do enredo é a mesma da primeira aparição do gorilão. Com um gordo orçamento, o cineasta usou e abusou da criatividade para gerar imagens impressionantes e os efeitos especiais foram usados aos montes. Porém, é perceptível seus cuidados para que o filme não fosse um amontoado de bichos e criaturas estranhas ameaçando a vida de humanos. Houve traquejo para aliar inovações, respeitar o original e ainda trazer referências de outros títulos de sucesso que foram blockbusters no passado como as aventuras de Indiana Jones e os dinossauros de Steven Spielberg, este que sem dúvida é uma grande fonte de inspiração do diretor neozelandês. Assim, a história foi mantida na década de 30 e foi apresentado um pouco do contexto histórico, várias passagens marcantes foram mantidas, além de serem inseridas citações que remetem ao clássico dos primórdios do cinema, como uma lembrança feita no batismo dos personagens de Naomi Watts e Jack Black. Assim, o remake é uma bela homenagem para aqueles que abriram caminho para as produções de cunho escapista. Comédia, drama, ação e suspense se misturam ao longo das três horas de duração de forma excepcional e sem perder o foco nas histórias dos humanos. Muitos reclamam do ritmo arrastado inicial e da demora para a grande estrela aparecer, mas tal introdução é fundamental para justificar o restante da história e é justamente neste ponto que a maioria dos projetos de ação e aventura desandam, pois há muita preocupação com as cenas eletrizantes e de menos com o roteiro. A primeira hora é todinha dedicada a apresentação dos personagens, assim criando uma empatia com o espectador que mais para frente vai sofrer com as mortes de alguns e a vibrar com a mocinha conseguindo se entender com o macacão, figura criada digitalmente em cima dos movimentos corporais e faciais do ator Andy Serkis, um especialistas nesse tipo de trabalho. Uma das cenas mais famosas desta obra, seja ela em qualquer uma das três versões oficiais (a dos anos 30, dos anos 70 ou a refilmagem de 2005), é a parte em que Kong está no alto de um edifício segurando a bela Ann em sua enorme mão enquanto é alvejado por tiros disparados de aviões, uma parte emocionante e eletrizante. Todavia, vale ressaltar neste remake como a parte mais impactante a longa sequência em que a protagonista é perseguida por tiranossauros e é salva por seu novo amigo. Impossível não sentir a adrenalina criada pelos eficientes movimentos de câmera potencializados pelos efeitos sonoros de primeira. Quando resta apenas um dinossauro e ele se confronta com o gorilão, chegamos a um momento-chave: o grande símio é superior ao gigantesco réptil e mostra sua força. Um verdadeiro duelo de gigantes. Sem essa marcante sequência talvez o resultado final não fosse tão excepcional. Em um filme de fantasia tudo é possível e Jackson deixou a imaginação rolar solta, mas quem pensa que a inclusão dos répteis pré-históricos foi uma liberdade artística do diretor está enganado. O longa dos anos 30 já garantia o encontro deles com Kong.

Infelizmente, é uma tendência dos críticos avaliarem as obras levando em consideração o currículo de seus realizadores, se esquecendo de que cada trabalho é diferente do outro e que eles são lançados em épocas distintas, o que certamente influencia em suas apreciações. Não adianta comparar o Jackson de 2005 com o de uma década antes que indicava um promissor diretor de dramas fortes e contundentes, um delírio para os críticos. Hoje, olhando algumas resenhas da época, fica parecendo que o cineasta sofreu do mal do tipo "Maria vai com as outras", ou seja, um ou outro cara renomado repudiou e os demais se acanharam e omitiram suas reais opiniões. Como qualquer filme que seja cultuado, é claro que uma refilmagem é motivo para deixar muita gente com o pé atrás, mas a crítica pegou pesado na análise desta surreal reinvenção do clássico, assim como também a versão setentista não é muito bem vista, salvo pelo fato de ter apresentado ao mundo a loiríssima atriz Jessica Lange. É claro que a obra original é repleta de significados e ideias relevantes inseridas no contexto para entreter o público daquela época que sofria com pressões externas, políticas e mal tinham dinheiro para comprar comida. Hoje os tempos são outros. Com uma produção espetacular tão digna quanto as três obras anteriores do diretor passadas na Terra-Média, realmente são inexplicáveis certas acusações e a falta de elogios ao menos para alguns aspectos do longa. Até os espetaculares efeitos especiais entram na ciranda de esculachos. Fora isso, também é incompreensível que alguns reclamem do início que gasta boa parte do tempo esmiuçando as motivações, sentimentos e caráter dos personagens e pior ainda imaginar que ainda muita gente encontre vestígios de teor sexual nas cenas em que Ann se aproxima de Kong, principalmente quando ela decide defendê-lo com todas as suas forças (das cordas vocais principalmente) na cidade grande. Longe de parecer simplesmente uma criatura bestial, o gorilão é apresentado como um ser solitário, provavelmente o último de sua espécie, assim sua personalidade combina com a da aspirante a atriz, esta que se sente sozinha mesmo estando cercada de semelhantes, mas nenhum disposto a lhe estender a mão. Enquanto ele é um gigante na floresta tropical, ela é uma formiguinha na floresta de concreto que começava a se formar em Nova York. A empatia que nasce entre os dois rapidamente é transferida ao espectador. Em resumo, aliando texto e imagens de primeira, King Kong proporciona pura diversão do início ao fim e ainda nos oferece um clima nostálgico irresistível. Se você está querendo entretenimento de verdade esta é sem dúvida uma excelente pedida. Se preferir filosofar ou se afogar em histórias com o mínimo de veracidade, parta para outra, mas não corte a diversão dos outros.

Vencedor dos Oscars de efeitos especiais, som e edição de som

Aventura - 187 min - 2005 

-->
KING KONG (2005) - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...