sexta-feira, 28 de junho de 2013

RECÉM-CHEGADA

NOTA 6,0

Vendido como comédia romântica,
longa fica devendo em humor e
romance, mas é uma boa opção como
drama inspirador e para a família 
Renée Zellweger não é nenhuma adolescente, mas seu rosto angelical é perfeito para comédias românticas. Seu nome é quase como um sinônimo do gênero, assim como nos anos 90, guardada as devidas proporções, Julia Roberts ou Sandra Bullock eram suas representantes. Talvez por isso Recém-Chegada não tenha feito sucesso. Embora conte com romance e algumas situações de humor, seu foco se encontra em ambiente empresarial. Isso mesmo, o longa narra a história de uma mulher que chegou desacreditada em um lugar, passou por muitos problemas de ordem pessoal e profissional, mas acabou vencendo na vida. O tema é um dos maiores clichês do cinema, é verdade, é aquela velha fórmula que rege os filmes cujo enfoque é o mundo dos esportes ou o ambiente acadêmico. Treinador ou professor insistente resulta em time campeão ou grupo de estudantes disciplinados e com potencial despertado. A fórmula é essa, não tem erro. Ou melhor, quando há falhas é porque não souberam embalar o produto adequadamente, como é o caso da história de Lucy Hill (Renée), uma ambiciosa executiva da agitada e moderna Miami que aceita ser transferida para uma cidade completamente desconhecida por ela. Na gélida e melancólica região de Minnesota sua tarefa é das mais ingratas: reestruturar uma pequena fábrica local de alimentos, o que implicaria em uma grande quantidade de demissões. Sentiu o drama não? Pequena cidade praticamente depende da economia gerada pela tal empresa e muitos funcionários na rua é igual a revolta contra a responsável por suas demissões. Lucy não se deu conta que não estava lidando com as pessoas cínicas com quem estava acostumada e tampouco com listas onde os funcionários eram simplesmente números que dependendo das somatórias de horas trabalhadas, rendimentos e valores salariais poderiam ser limados da empresa sem pensar nas consequências negativas que isso traria às suas famílias e à economia local.  Agora ela está em um lugar tradicionalista onde a teoria de que o bater de asas diferenciado de uma borboleta pode ser comprometedor faz valer seu poder. Qualquer mudança traz efeitos e as notícias e fofocas se espalham rapidamente, assim como o troca-troca de alimentos entre os vizinhos, e os nomes dos envolvidos nos conflitos não são poupados. Assim, Lucy passa a ser vítima de uma revolta generalizada da diminuta população local, mas em número suficiente para afrontar o poder daqueles que ocuparam antes a vaga que hoje é da executiva.

Entre os desafetos da moça, para variar, também se encontra seu interesse romântico. Ele é Ted Mitchell (Harry Connick Jr.), um viúvo com uma filha adolescente que é um sindicalista inflamado. Obviamente das brigas que os une também nasce o amor respeitando a máxima de que os opostos se atraem. Ela é culta, realizada profissionalmente, tem dinheiro e cuida da aparência. Ele tem um jeito bronco de se comportar, uma profissão digna, mas sem glamour, têm dificuldades financeiras e é desprovido de vaidades. Mesmo com todos estes predicados negativos ela consegue enxergar nele o homem de seus sonhos. É aqui que está o principal problema da produção. Uma comédia romântica sem romance não existe. A química entre Renée e Connick é tão fria quanto a paisagem que os cerca e o espectador não se sente envolvido neste caso de amor, afinal nem mesmo os personagens parecem estar em sintonia, ambos mostrando-se muito mais a vontade no âmbito profissional. Bem, descartando a fraca trama romântica, é justamente o lado empresarial da narrativa que elevam o nível de avaliação deste projeto, passando bem longe do lixo que algumas críticas o resumem. Talvez desde que o mundo é mundo crises econômicas sempre estiveram em pauta, mas no século 21 parece que elas se agravaram e nem quem tem uma vida financeira confortável pode se dar ao luxo de não se preocupar com o tema. Portanto vem a calhar um filme que fale um pouco sobre o universo financeiro das empresas com uma linguagem simples, ainda mais para nós brasileiros que rotineiramente somos noticiados de greves e manifestações de trabalhadores que se sentem injustiçados com demissões repentinas e em massa, mas alguém já parou para pensar no lado das empresas? Cortes de pessoal às vezes são inevitáveis para manter a saúde financeira das fábricas e nos contratos dos trabalhadores não há cláusulas que asseguram o emprego permanente. O problema é que os chefões querem lucrar muito mais em cima do trabalho dos menos favorecidos? Bem, esse é um tema complicado, sendo mais facilmente resolvido em casos como a empresa problemática de Lucy, sem dúvidas uma exceção em um mercado tão competitivo e cruel. A região em que as ações do filme passam parece um mundo a parte, quase parado no tempo, um lugar feliz e que não deixa aberturas para duvidarmos que o conflito principal rapidamente será sanado e que a prosperidade irá prevalecer. Tal visão pode tirar completamente o realismo da trama, mas ao que tudo indica o diretor dinamarquês Jonas Elmer não tinha pretensões de que esse longa fosse algo além de um entretenimento saudável, portanto, discussões mais aprofundadas sobre o mundo dos negócios não estavam no planejamento.

Mesmo com a relação conturbada com Mitchell e enfrentando o frio e a calmaria de Minnesota, Lucy também tem seus prazeres na cidade, principalmente com a amizade da bondosa Blanche (Siobhan Fallon) que a ajuda a se adaptar ao clima tradicionalista. Sempre estabelecendo contrapontos entre o estilo de vida da executiva e os costumes do povo local, os roteiristas Ken Rance e C. Jay Cox encontram nesse estranhamento o grande gancho para puxar a atenção do espectador que por mais urbano e moderninho que seja sente-se seduzido ao ver cenas de apelo afetivo como uma reunião de senhoras para tomar um chá da tarde ou atos de extrema generosidade entre vizinhos, cenas comuns em ambientes interioranos onde a rapidez e a alienação da comunicação via celular ou internet felizmente ainda não se consolidaram. Para driblar a má impressão que deixou na cidade em um primeiro momento, Lucy é tomada pelo espírito do profissionalismo, ou seja, deixou as diferenças de lado para se focar no que seria melhor para a fábrica que teoricamente sustentava a todos na região. Para atrapalhá-la, chega da matriz a ordem de fechar a filial e obviamente as suspeitas da decisão recaem sobre a moça, mas sabemos que tudo vai acabar bem no final das contas. E neste caso uma conclusão literalmente açucarada. Graças à tapioca, também consumida na versão salgada, Lucy consegue dar novos rumos à empresa e consequentemente à sua vida. De um pequeno hábito de consumo local a moça tirou a solução dos problemas, gancho que lembra a um antigo filme protagonizado por Diane Keaton, Presente de Grego, no qual ela é obrigada a cuidar de um bebê e da tarefa de fazer papinhas encontrou a chave do sucesso do profissional. Podem dizer que Recém-Chegada é um produto típico para sessões da tarde e totalmente descartável, mas ai é uma questão de ponto de vista. Está longe de ser um romance para adolescentes e não atende também completamente as expectativas de platéias adultas com tal objetivo, porém, é um típico feel good movie, aquele tipo de produção que não faz mal a ninguém e deixa o espectador com uma agradável sensação de saciedade. Elmer, estreando no cinema americano, de quebra ainda realizou uma obra com vida útil prolongada, pois é uma opção perfeita para motivação e incentivo a empreendedores, administradores e porque não sonhadores. Agora se você é do tipo que preza em primeiro lugar pela simpatia que sente pelos atores na hora de escolher ou avaliar um filme e tem um pé trás com a cara de cachorrinho pidão de Renée, com direito a incontáveis biquinhos, dispense esta opção.

Comédia romântica - 97 min - 2009

-->
RECÉM-CHEGADA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...