quarta-feira, 31 de julho de 2013

LABIRINTO - A MAGIA DO TEMPO

NOTA 8,5

Por trás da aparente inocência,
longa fantasioso é cheio de
mensagens subliminares
usando um jogo de manipulação
Muitos filmes sobre mundos fantásticos foram lançados na década de 2000 impulsionados pelo sucesso de obras literárias que ganharam suas versões cinematográficas como Harry Potter, O Senhor dos Anéis e As Crônicas de Nárnia, mas quantas dessas produções “menores” vão no futuro ganhar o status de clássicos estilo sessão da tarde? Pois é, muita coisa bacana foi lançada nos últimos anos, mas a rapidez com que seu ciclo de vida transcorre impossibilita que elas se tornem marcantes, algo impulsionado pela repugnante cultura do imediatismo. Qual seriam então os segredos dos clássicos infanto-juvenis dos anos 80 que ainda povoam o imaginário de muitos adultos, a maioria que felizmente gostaria de agora poder vivenciar as mesmas emoções de outros tempos junto com seus filhos ou netos? As explicações mais óbvias seriam a ajuda da TV e das videolocadoras. Filmes na telinha antigamente eram verdadeiras moedas de ouro, garantia de muita audiência pelo ineditismo da ação, e se gostasse ou perdesse a hora ainda teria a possibilidade de alugar na loja mais próxima, hábitos que certamente colaboraram para a popularização de alguns títulos. Teoricamente, hoje esse quadro ainda é possível, mas diante de tantas possibilidades de entretenimento e a pressa do público em geral não há tempo para fomentar boca-a-boca sobre os filmes, salvos aqueles que recebem o apoio da mídia em massa. Bem, isso é uma discussão quente entre o tradicional e o moderno que não vem ao caso. Toda essa introdução é para tentar resgatar um pouco do clima e do impacto que causou no passado Labirinto – A Magia do Tempo, uma agradável aventura passada em um reino fantástico que certamente faz parte da lista de filmes do coração de muito marmanjo, porém, um trabalho que para conquistar novas gerações só mesmo apelando para o valor sentimental que a obra representa. Vamos por partes. Além de uma forcinha dos mais velhinhos comentando sobre as lembranças que o filme desperta e o fato de ser uma obra de fantasia, o que pode aguçar a vontade de assistir a este trabalho é a presença de Jennifer Connelly. Para muitos ela estreou em Uma Mente Brilhante, longa que lhe deu o Oscar de atriz coadjuvante, mas na realidade ela já batalhava na profissão há tempos e aqui aparece bem jovenzinha interpretando Sarah Williams, uma garota que adora contos de fantasia. Certa noite seus pais saem e pedem para que ela tome conta do seu irmão ainda bebê, Toby (mesmo nome da criança real, Toby Froud, para facilitar a sua dinâmica com os atores), mas ela não parece muito disposta e logo se irrita com seu choro. Num momento de raiva ela acaba contando resumidamente para o pequeno a história de uma jovem que não suporta mais tantas tarefas e deseja que os goblins, outra alcunha para duendes, levem seu irmão embora. O conto faz parte do livro “Labyrinth”, um de seus prediletos, e para finalizar ela ainda diz uma frase que jamais deveria nem ter passado por sua mente: “eu quero que os goblins venham e o levem embora agora!”.

Logo que percebe que Toby parou de chorar Sarah corre para o quarto dele e então constata que desejos se realizam sim. Aí surge mais um dos chamarizes da fita, a presença de David Bowie, famoso cantor que outrora atacava de ator. Por seu visual extravagante e trajetória profissional não é exagero dizer que ele é como uma Cher de calças. Seu trabalho como ator possivelmente é desconhecido pelos mais jovens e aqui é uma boa oportunidade para matar a curiosidade. Ele vive Jareth, o rei dos duendes, que surge para Sarah afirmando que seu desejo foi atendido, mas como ela se arrependeu resolve lhe dar uma chance de recuperar Toby. A adolescente terá exatamente treze horas para atravessar o labirinto que dá acesso ao castelo dos goblins onde o bebê foi aprisionado, mas se falhar a criança perderá a forma humana para sempre e viverá como um duende. Sarah aceita o desafio, mas nem tem ideia do quanto ele será difícil. Os portões e paredes mudam de lugar, existem enigmas a serem desvendados e pelo caminho surgem muitas criaturas estranhas, algumas que decidem ajudá-la e outras que estão a serviço de Jareth. Uma em especial, Hoggle, um goblin-anão muito mal-humorado, decide colaborar em troca de uma bijuteria, mas como tem medo do rei de seu povo ele acaba fazendo jogo duplo e procura dificultar o trajeto da jovem. O roteiro de Terry Jones hoje em dia pode parecer nada original afinal já estamos saturados de tramas passadas em mundos paralelos, mas é preciso talvez acompanhá-lo mais de uma vez para perceber seus predicados. Existem muitas mensagens implícitas tanto nos diálogos quanto nas imagens. A introdução já traz uma revelação. Sarah está vestida como uma princesa e recitando versos enquanto passeia por um ambiente com ar medieval, mas logo que a chuva começa a cair percebemos que ela está em um jardim comum e por baixo do traje de época ela usa calça jeans. Isso já revela traços de sua personalidade. Apesar de ter 15 anos de idade, seu quarto é repleto de cores e brinquedos, uma forma que ela encontra para viver imersa em um mundo de fantasia e esquecer seu entediante cotidiano. Alguns de seus bonecos inclusive ganham vida ao longo do filme e interceptam seu caminho pelo labirinto, dica que é a chave do segredo do desafio: embora acredite que Jareth é quem dita as regras do jogo, é a força da imaginação de Sarah que ditará o percurso. Todavia, logo nos primeiro minutos temos uma coruja em destaque, símbolo de sabedoria, e não demora muito para descobrirmos que ela na verdade é a forma com que o rei dos goblins se movimenta pelo mundo real. É uma simbologia interessante. A inteligência versus a inocência. É o velho jogo da chantagem ou porque não do acordo com o Diabo. A adolescente sonhadora é uma vítima perfeita para um perverso jogo de manipulação.

No conjunto, a trama lembra em muitos aspectos os filmes O Mágico de Oz e Alice no País das Maravilhas. Realmente a premissa da busca de um objetivo atravessando um reino fantástico e o amadurecimento conquistado diante dos obstáculos vencidos ao longo do trajeto são pontos que estas três obras compartilham. Inclusive há até quem consiga fazer analogias entre a relação de Sarah e Jareth com a de um manipulador e um escravo, mas tal assunto é específico demais. Até as analogias mais simples citadas no parágrafo anterior ficam difíceis de serem identificadas apenas com o olhar de espectador de fim de semana. Bem, exposto o enredo, diga-se de passagem, que dialoga muito bem com as produções fantasiosas lançadas nos últimos tempos, qual seria o problema da obra atingir novos espectadores? Além de todos os aspectos conhecidos que datam um filme (trilha sonora, penteados, figurinos e até qualidade de som e imagem que por mais remasterizados que sejam sempre preservam algum resquício de nostalgia), o grande calcanhar de Aquiles da produção são os efeitos especiais. Em tempos em que eles são fatores primordiais para o sucesso de um filme do tipo, deve causar repulsa ou risos os recursos visuais utilizados, hoje precários, mas na época possivelmente uma sensação. Pior ainda ver Bowie em clipes musicais dançando com seus subalternos, uma estratégia para vender o disco produzido pelo cantor especialmente para este trabalho. O estranhamento pode ser atenuado sabendo que o diretor é Jim Henson, famoso pela criação dos bonecos Muppets, que criou a história junto com Dennis Lee a partir de um desenho esboçado por Brian Froud (ambos trabalharam juntos em O Cristal Encantado, outro título que sofreria hoje por conta de seu visual pobre) no qual um bebê era cercado por goblins (não é a toa que o filho do dono da ideia original foi o escolhido para viver a criança raptada). Sim, ao contrário da maioria dos produtos do gênero, este não nasceu das páginas de um livro, mas simplesmente de uma reinvenção do mito dos goblins, figuras que fazem parte de alguns contos de fadas menos populares, talvez porque suas histórias não tenham ganhado a versão Disney para fortalecerem suas imagens. Posteriormente, o roteiro foi transformado em livro e até em história em quadrinhos que não chegaram a ser relançadas (quem tem um exemplar destes tem um suvenir que vale ouro). Voltando à introdução nostálgica, realmente Labirinto – A Magia do Tempo acabou virando um clássico graças a boa e velha tática da repetição, já que infelizmente quando lançado nos cinemas não foi bem recebido, detalhe que contradiz a sua fama atual. Sendo o último trabalho dirigido por Henson, ele acabou falecendo amargando duras críticas da imprensa e consequentemente a aversão do público, mas como diz o ditado “o tempo é o senhor da razão” e felizmente esta aventura com o passar dos anos teve suas qualidades reconhecidas. E daqui para frente? Vamos perpetuar essa magia?

Aventura - 101 min - 1986

-->
LABIRINTO - A MAGIA DO TEMPO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...