sábado, 3 de agosto de 2013

VILA DAS SOMBRAS

Nota 6,0 Suspense francês tem bom argumento, mas seu ritmo e sustos suaves comprometem

Os elementos do cinema de horror são tão enraizados à cultura americana que fica difícil imaginar os mesmos em um filme italiano, argentino ou português. Certamente só pelo lançamento da ideia de que um produto do tipo seria feito no Brasil já seria alvo de chacotas e desconfianças, que dirá o nosso famoso Zé do Caixão que mesmo tendo sua filmografia hoje em alta estima viu seu último projeto cinematográfico (lançado em meados da década de 2000) amargar o ostracismo. Por outro lado, China, Japão e outros países da cultura oriental e até a Espanha tem um histórico de sucesso na produção de terror e suspense. E o que dizer de um filme do tipo francês?  Vila das Sombras reúne diversas características do gênero, mas esbarra no preconceito do público. Realmente, com uma narrativa mais lenta e imagens extremamente escuras é natural que muitos desistam de acompanhar este trabalho em seus dez minutos iniciais, mas não é que o longa surpreende no conjunto? Obviamente não vai mudar os rumos do cinema e tampouco é excepcional, mas é uma prova de que todos os países podem e devem apostar nos mais variados gêneros cinematográficos, não visando lucros, mas sim para vivenciar a experiência e aprimorá-la, caso contrário a produção local fica estagnada como no caso da França que para muitos ainda hoje é sinônimo de filmes chatos e complexos. A trama começa mostrando dois soldados armados dentro de uma residência aparentemente abandonada, mas existe algo estranho lá dentro os perturbando. Tal história faz parte de um livro sobre lendas e crenças que Mathias (Jonathan Cohen) está lendo durante uma viagem de carro que está fazendo com um grupo de amigos. Como estão em nove pessoas, o grupo se dividiu em dois veículos, mas na escuridão da noite eles acabam se colidindo, porém, um dos carros simplesmente parou na estrada e seus integrantes sumiram. Coincidentemente, Lucas (Axel Kiener) diz que eles estão próximos a uma vila onde seus pais possuem uma casa, mas no momento ela está vazia e poderiam passar a noite lá. O local é extremamente sinistro, vive sob uma escuridão absoluta e obviamente não demora muito para que fatos estranhos aconteçam. Lucas parece ter mudado de personalidade de uma hora para outra e agride Mathias; Lila (Barbara Goenaga) passa a ter estranhos delírios com eventos que se passaram no vilarejo há séculos atrás; e Marion (Ornella Boulé), que estava desaparecida, é encontrada, mas sua irmã Emma (Christa Theret) não gosta nada de seu comportamento em transe.

Hugo (Djedje Apali) é o primeiro do grupo a sumir. Logo após notarem sua ausência é descoberto um desenho como se fosse um retrato-falado do rapaz com expressão de susto. Em seguida, o mesmo acontece com Mathias e assim pouco a pouco o grupo vai diminuindo. Quando restam apenas três, curiosamente só mulheres, o segredo do local começa a ser desvendado através de um livro onde estão anotados os nomes de vários grupos de pessoas, sempre oito nomes registrados de oito em oito anos e sempre na mesma data, dia 08 de agosto, obviamente o mesmo dia em que estes jovens infortunadamente foram parar lá, inclusive o nome dos soldados da tal crendice dos anos 40 também constam nos registros. Um detalhe chama a atenção. Na página atual (datada de 08/08/2008) existem nove nomes e a ordem de listagem segue a mesma dos desaparecimentos. A última pessoa registrada seria aquela que conseguiria escapar com vida? Quem é escolado no gênero certamente não precisa nem dos diálogos travados quando o tal livro é encontrado para matar a charada, mas apesar de previsível existe algo peculiar nesta produção assinada pelo diretor Fouad Benhammou que a torna muito interessante de acompanhar. Aliás, existem vários aspectos que colaboram para esse apreço. A ambientação estranha a princípio, contando com uma movimentação dos cenários para complicar ainda mais a vida dos personagens, aos poucos magicamente vai clareando aos olhos do espectador que conseguir vencer as barreiras do preconceito e participar ativamente da trama roteirizada por Lionel Olenga, embora muitos apontem justamente a narrativa como um dos principais problemas da fita. Na realidade, seguindo a tradição francesa, a trama tem um ritmo mais lento e os sustos são apresentados de forma suave, sem os estrondosos efeitos sonoros e tampouco os cortes alucinantes de imagem que estamos acostumados. A ausência de muitos clichês hollywoodianos, como a trilha sonora que teima em antecipar o que está por vir, é o grande trunfo de Vila das Sombras, produção que infelizmente reúne todas as características possíveis para afugentar público (nacionalidade, elenco desconhecido, fotografia escura, ritmo lento, início pouco interessante, publicidade nula), mas como é gratificante chegar ao final de um filme que você não botava fé e poder ao menos dizer que se ele não é ótimo ao menos foge um pouco do convencional e só por isso já merece uma avaliação com mais boa vontade. 

Suspense - 103 min - 2008 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...