domingo, 27 de outubro de 2013

NELLY

Nota 1,5 Mais uma vez a atriz Sophie Marceau mostra que tem de dedo podre para escolhas

Sophie Marceau é uma das atrizes mais famosas e requisitadas da França e até Hollywood já esteve de olho na moça, todavia, ultimamente ela está precisando parar para pensar melhor em suas decisões profissionais. Embora mais apreciadas e divulgadas nos últimos, é certo que as produções francesas ainda costumam sofrer com o preconceito, o estigma de serem chatas e cheias de simbolismos, e ao que tudo indica os últimos trabalhos de Marceau querem reforçar tal negativismo com o agravante de serem confusas como é o caso de Nelly, um estranho drama com toques de humor (prêmio para quem achar algum momento de graça) que marca a estreia da atriz Laure Duthilleul como diretora e roteirista, este último crédito que divide com Jean-Pol Fargeau e Pierre-Erwan Guillaume. Teoricamente, com mais de uma pessoa na função, seria possível ver os possíveis erros uns dos outros e acrescentar melhorias ao roteiro, mas alguém teria que fazer a revisão final, a limpeza do texto. Duthilleul, atribulada com as funções de direção, pode não ter tido tempo para tanto e o que se vê é uma reunião de cenas que parecem não ter muita conexão. Quando encontramos um eixo para nos situar, infelizmente percebemos que nada demais acontece para justificar a existência desta obra. A história começa apresentando alguns personagens desesperados a procura de Manuel (Sébastien Derlich), médico de um pequeno vilarejo e cuja secretária eletrônica está lotada de recados. Ao mesmo tempo, Nelly (Marceau) está em meio aos preparativos para levar seus filhos para passar o dia na praia. Outros personagens surgem, pessoalmente ou só ouvimos seus nomes, desestimulando o espectador tamanha a insanidade da introdução, mas é perceptível que a diretora não queria contar uma história com tudo mastigadinho e sim aguçar a curiosidade para pouco a pouco serem revelados detalhes e a trama ser completada na cabeça de quem assiste. Então, mais a frente, ficamos sabendo que Nelly, além de secretária, também era a esposa de Manuel que é descoberto morto em sua casa.

Juntos há 12 anos, o casal parecia viver um relacionamento de aparências já a algum tempo, mas isso não impede o sofrimento de Nelly que surta por não saber agora que rumos dar para sua vida. O carpinteiro José (Antoine Chappey), irmão do falecido, é um dos primeiros a chegar para o velório e se prontifica a fazer o caixão em sinal de homenagem e ao mesmo tempo para evitar grandes despesas, mas no fundo talvez seja uma forma de se penitenciar. Nelly e o cunhado já se relacionaram no passado, uma união que não foi totalmente encerrada e que agora mexe com os sentimentos de ambos, mas reviver esse amor poderia gerar fofocas e intrigas entre a população tradicionalista que venerava o falecido. Além das dúvidas quanto ao futuro, a viúva ainda terá que lidar com problemas quanto ao enterro. Não há lugar no jazigo da família e os parentes acham que o melhor seria enterrar o corpo na floresta próxima a casa onde Manuel passou tantos anos, mas vizinhos e amigos acham melhor esperar outra solução para assim dar um funeral digno para o homem que tanto se dedicou a fazer o bem para os seus semelhantes. Diante do impasse, lá se vão quatro dias de espera, tempo de muita angústia para a protagonista que chega a tentar suicídio. Contando assim, até que o enredo tem lógica e parece indicar um filme nos moldes esperados de uma produção europeia, mas Nelly é realmente um exercício de paciência com alguns poucos lampejos de esperança. A cada cena que aponta um gancho para o espectador se entusiasmar, surgem cinco para afastá-lo da trama, assim chegando fatigado ao final insosso. Do início ao fim, o longa justifica o porquê da demora de cinco anos para sua chegada no Brasil. Ainda tem empresário que se entusiasma com a origem de um filme (falsa elitização) e a lembrança de Marceau no premiado Coração Valente ainda rende frutos. Precisam urgentemente dar uma analisada na filmografia da atriz para rever seus conceitos.

Drama - 99 min - 2004 

-->
NELLY - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...