sexta-feira, 4 de abril de 2014

SPEED RACER

NOTA 6,5

Adaptação de famoso desenho
para os cinemas tem premissa
boa, mas detonada pelo excesso de
cores e sons que dispersam atenção
Um filme infanto-juvenil de sucesso pode gerar um seriado live-action ou de animação que corresponda expectativas. O caminho inverso também pode acontecer, sendo totalmente possível uma série de desenhos animados produzidos para TV ganhar sua versão com atores reais para as telonas. A moda não é recente, por exemplo, nos anos 80 o brucutu Rambo já havia ganhado sua versão abrandada em animação com episódios curtos e He-Man deu uma passadinha pelos cinemas em uma produção trash. Na época produtos do tipo eram lançados a toque de caixa para aproveitar a moda, mas anos mais tarde em meio a crise de criatividade hollywoodiana as atenções foram voltadas para a nostalgia do público, assim voltaram a cena os heróis uniformizados, carros que se transformam em robôs e até os ingênuos Smurfs. A justificativa para escamotear a falta de ideias originais é que agora com tecnologia avançada é possível recriar com perfeição o mundo dos desenhos para o live-action e vice-versa. Bem, se tomarmos como exemplo Speed Racer comprovamos tal explicação. Esse é o primeiro filme dirigido pelos irmãos Andy e Larry Wachowski após o fim da trilogia Matrix em 2003, assim não é de se espantar que a adaptação do anime japonês “Mach Go Go Go” criado nos anos 60 por Tatsuo Yoshida (o título homônimo ao filme foi dado quando a série animada chegou aos EUA, o que proporcionou sua popularidade mundo a fora tirando o foco do automóvel e jogando sobre o piloto)  seja apoiada em uma avalanche de efeitos especiais que tem como objetivo ludibriar o espectador para que ele não perceba o roteiro fraco também criado pela dupla de diretores. A intenção era trabalhar em um projeto de apelo popular, um filme-família cujo universo fosse de mais fácil identificação por plateias distintas. É fato que os Wachowski são fãs assumidos do material original e procuraram respeitar ao máximo a essência da trama, mas ao mesmo tempo tinham que trazer na película algum diferencial que sacudisse o cenário cinematográfico tal qual fizeram nos final da década de 1990. O problema é que o feitiço voltou contra os feiticeiros e justamente o visual supercolorido e a frenética edição fizeram com que a aventura colhesse críticas negativas e amargasse uma baixa bilheteria. Só os primeiros minutos já são um verdadeiro teste para a saúde dos olhos, ouvidos e nervos dos espectadores, principalmente para aqueles que nunca tiveram contato com sua versão em animação, mas para quem conseguir se transportar para este universo a diversão pode ser razoável, afinal claramente a intenção era fazer um casamento entre atores reais e elementos de desenhos animados, uma ambientação onde absolutamente tudo é possível.

A trama narra as aventuras do jovem piloto Speed (Emile Hirsh) e seu potente carro Match 5 nas pistas de corrida. Ele nasceu para isso e desde pequeno demonstrava um estilo agressivo e objetivo ao volante, reflexos diretos da influência da família Racer em sua criação, todos obcecados por veículos e velocidade. Seu pai, Pops (John Goodman), possui uma oficina mecânica e sempre estimulou o filho mais velho Rex (Scott Porter) a seguir carreira no automobilismo, mas uma fatalidade acaba matando o rapaz e o mecânico perde o entusiasmo com este esporte. Anos mais tarde, Speed, contando com um carro construído pelo próprio pai, tenta recuperar o prestígio da família no meio para a felicidade de sua mãe (Susan Sarandon), seu irmão mais novo Gorducho (Paulie Litt) e até para Chim Chim, o chimpanzé de estimação do clã (o gordinho e o símio formam uma dupla impagável e responsável pelo humor da fita). No entanto, o cenário que o jovem encontra não é dos melhores. Além da autocobrança de tentar ser melhor que o falecido irmão, Speed acaba ganhando inimigos aos dispensar uma tentadora oferta do empresário Royalton (Roger Allam) que gostaria de contar com o rapaz representando sua empresa nas pistas usando seus automóveis, porém, forjando resultados e comprando vitórias. Para combater tais irregularidades que vão totalmente contra os valores defendidos pelos Racer, ele recebe a ajuda da namorada Trixie (Christina Ricci), do mecânico Sparky (Kick Gurry) e do novato piloto Taejo Togokhan (Rain). É bem interessante a discussão abordada sobre o mundo capitalista onde não basta ter talento, mas também disposição para ser o melhor custe o que custar mesmo que seja necessário se render a trapaças, principalmente porque as grandes e mercenárias corporações estão aí para dar as cartas (talvez uma alusão a interferência dos patrocinadores no mundo esportivo), mas será que tal mensagem é captada pelo público infantil?  Dificilmente e é provável que ela passe despercebida até mesmo pelos adultos, já que a profusão de cores e barulhos ensurdecedores suplantam a trama que com cortes abruptos na cadência de som insere diversos flashbacks para tentar ajudar a situar o espectador em meio a tanta bagunça visual e narrativa. Ainda tem o agravante do excesso de personagens para confundir ainda mais. Além dos já citados, entre tantos outros, temos participações ativas do mafioso Cruncher Block (John Benfield) e dos inescrupulosos corredores Snake Oiler (Christian Oliver) e Cannonball Taylor (Ralph Herforth) que fazem o possível e o impossível para se manterem no pódio.

Além de combater a corrupção no automobilismo, Speed ainda terá que enfrentar e ao mesmo tempo contar com a ajuda do misterioso Corredor X (Matthew Fox), um antigo rival das pistas que esconde um grande segredo sob sua máscara. Eles vivem uma estranha relação em que proteção, admiração e ressentimentos se confundem e juntos precisarão enfrentar um perigoso circuito conhecido pela participação de competidores trapaceiros. Apesar de adolescente, Speed aparece sério demais quando deveria ter uma ingenuidade que fizesse contraponto ao jeito seco e confiante com que o Corredor X se apresenta. Com o excesso de personagens e mais espaço dedicado para a adrenalina, é normal que os personagens não tenham uma evolução avassaladora, sendo a mais prejudicada Sarandon com pouco tempo de cena e um papel com mínima função. Ricci também acaba ficando apagadinha, mas com a justificativa que o romance que vive com o protagonista deveria seguir a linha comportado, respeitando a inocência da criação original. O tom infantil dado a obra que desagradou a muitos na verdade foi a forma que os diretores encontraram para preservar justamente o clima dos anos 60, algo nítido principalmente nos cenários e figurinos com cores vibrantes e reforçados pelo ritmo ágil que remete a ideia que os produtos culturais da época vendiam a respeito do século 21, um período em que a velocidade ditaria o modo de viver das pessoas. Todavia, tantas cores e movimentos, embora os desenhos antigos também contassem com tais elementos, podem não agradar justamente os mais velhos, mas serem aprovados pelas novas gerações acostumadas com videogames e filmes em que a história pouco importa, o que vale são imagens espetaculares. Utilizando gravações dos atores em fundo falso inseridas em imagens criadas via efeitos de computação de ponta, a mesma tecnologia empregada anteriormente em Capitão Sky e o Mundo de Amanhã, por exemplo, os Wachowski realmente criaram um mundo singular, mas que após seu impacto inicial, se é que ele realmente acontece de forma positiva, passa a cansar, clamamos por uma cena sequer com predomínio de cores mais frias, quiçá o branco puro. Assim como a versão americana do desenho valorizou a imagem do piloto em detrimento do automóvel, a versão live-action de Speed Racer desejava fazer o mesmo, mas acabou dando mais atenção aos carros e suas corridas, mas de forma que minuto a minuto distancia quem assiste, culminando em uma conclusão que não transmite a sensação de vitória, mas sim de alívio após mais de duas horas de uma forçada viagem psicodélica.

Aventura - 135 min - 2008 

-->
SPEED RACER - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Um comentário:

Ramon Prates disse...

Na época a crítica foi tão ruim que quando assisti o filme no cinema me surpreendi e achei bem legal e divertido. Eu gostei do visual, ficou bem a cara de mangá japonês cheio de cores e exageros.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...