quarta-feira, 16 de julho de 2014

PEGAR E LARGAR

NOTA 5,0

Embora tente fugir de receitas
açucaradas apresentando situações
realistas, romance desperdiça bons
argumentos e força as vezes o humor
Algumas atrizes já estão com a imagem tão enraizada a comédias românticas que qualquer filme que lancem com temática amorosa automaticamente é rotulado em tal gênero. Talvez isso explique o fracasso de Pegar e Largar que tem como protagonista Jennifer Garner. Quem esperava uma trama convencional de encontros e desencontros e pontuada por momentos de humor certamente se decepcionou ao se deparar com um romance dramático. Experiente no gênero água-com-açúcar, Susannah Grant, roteirista de Para Sempre Cinderella e Em Seu Lugar, além de assinar o texto neste caso também fez sua estreia como diretora, mas seguiu seu estilo e dosou bem o amor e a tragédia, errando a mão nos poucos momentos de humor da produção. A trama começa mostrando o sofrimento de Gray Wheeler (Garner) que poucas horas antes do casamento acaba sendo surpreendida com a notícia de que Grady, seu noivo, inesperadamente faleceu. Desnorteada, seus pensamentos parecem querer dialogar com o rapaz detalhando suas sensações durante o funeral, uma sensação natural de quem de uma hora para a outra viu seus sonhos desmoronarem. Neste momento difícil, a moça acaba encontrando apoio na solidariedade oferecida pelos amigos com quem o noivo dividia uma casa. O divertido Sam (Kevin Smith) e o responsável Dennis (Sam Jaeger) a convencem a entregar a residência onde o casal moraria, já que não teria como bancar o aluguel, e ela ir viver com eles, assim não se sentiria tão só e nem teria que se desvencilhar totalmente das lembranças do ex. Enquanto a dupla faz de tudo para reanima-la, Fritz (Timothy Olyphant), outro amigo de longa data do falecido, mas que Gray desconhecia, parece pouco se importar com o ocorrido. Aliás, em uma tentativa forçada de injetar humor na trama que começa depressiva, o rapaz metido a conquistador descola uma paquera durante o velório e não pensa duas vezes antes de levar a moça para o banheiro para darem uma rapidinha. Detalhe, a recém-viúva estava escondida na banheira tentando colocar as ideias no lugar, mas por de trás da fina cortina de plástico acompanhou toda a cena com riqueza de detalhes sonoros.

Obviamente Gray se antipatiza com Fritz imediatamente, mas ele muito cara-de-pau não se envergonha de se hospedar na antiga casa do falecido, mesmo aparentemente não tendo intimidade com Sam e Dennis. O rapaz na verdade é um amigo que Grady havia feito em Los Angeles, já que ele tinha negócios na cidade e constantemente viajava para lá. Contudo, conforme o tempo passa a viúva começa a perceber que essa amizade era mais sólida que aparentava e que Fritz guarda segredos a respeito do homem que ela julgava conhecer tão bem. Primeiro ela fica sabendo que o noivo tinha uma poupança de cerca de um milhão de dólares sobre a qual jamais havia falado com ela ou com seus amigos de casa. Depois descobre que por anos ele enviava mensalmente três mil dólares para uma pessoa que vive justamente em Los Angeles. Somente Fritz sabia do envolvimento do jovem com Maureen (Juliette Lewis), uma massagista com quem ele teve um filho, o pequeno Mattie (Joshua Friesen). Como desgraça pouca é bobagem, a suposta amante vai pessoalmente procurar o pai de seu filho para pedir o pagamento do mês em atraso, mas nem imaginava tudo o que aconteceu. Contudo, nesse turbilhão de emoções, ao ver a sua imagem de homem ideal ruir, Gray passa a ver Fritz com outros olhos, aquele tipo de cara com quem ela jamais pensou em se relacionar poderia ser a solução para fazê-la esquecer dos problemas do presente. A história simples reúne todos os ingredientes necessários para agradar as plateias femininas, no entanto, a produção amargou o fracasso até mesmo em DVD. Não é excepcional, mas é preciso se fazer justiça. Embora bancado por um grande estúdio, a Columbia que faz parte do conglomerado de empreendimentos Sony, o longa traz certo ar de cinema independente com personagens problemáticos e dramas plausíveis, mas não dispensa um final romanceado. A sensação de um romance fora dos padrões hollywoodianos poderia ser acentuada pela presença do ator Kevin Smith, figurinha conhecida no circuito alternativo e que domina praticamente todos os trabalhos necessários para se realizar um filme, no entanto, seu personagem é o mais desinteressante e abertamente cômico. Como um típico loser (o cara sem noção) ele liga liquidificadores sem tampar e despeja massas de wafers na panela como se estivesse jogando o lixo. Faz o papel do coadjuvante que fala muita abobrinha e tem um ou outro momento de glória ao dar uma bola dentro, mas em geral sua participação é limitada a reciclar um estereótipo, inclusive piadas.

Os demais personagens seguem uma linha mais pé no chão, até mesmo a alternativa Maureen, uma mulher que contagiada pelos mandamentos de sua profissão vive falando sobre aura, xacras, energias positivas e alimentação saudável e desintoxicante. As motivações da personagem para se aproximar dos amigos de Grady poderiam render muito mais, mas seu gancho é trabalhado superficialmente e perde ainda mais força quando ela se alia à Sam. De qualquer forma, é sempre bom ver Lewis em cena, a promessa de grande atriz que ficou só nas boas intenções, mas ela se sai bem em papéis que lhe exigem pouco. O que sobra de naturalidade nela falta em Garner que se esforça para tornar crível o drama da protagonista, mas para quem sofreu tantos baques seguidos aparentemente a superação veio rápido demais. Dennis também poderia ser um perfil mais bem aproveitado. Seu jeitinho certinho contrasta com o estilo largado de Sam, mas como já convivem há algum tempo juntos é compreensível que tenham chegado a um equilíbrio de tolerância. O que beneficiaria o papel de Jaeger é que poderia surgir a dúvida de que a tal conta misteriosa de Grady seria proveniente de desvios já que eles eram sócios em uma empresa de equipamentos de pesca. Para não deixar o terreno livre à Fritz, que repete macetes de outros conquistadores que se apoiam na beleza, Dennis também poderia se envolver com a mocinha, algo até ensaiado a certa altura em uma rápida citação, mas tão mal inserido que não tem serventia alguma, exceto causar a necessária ruptura do casal principal para em poucos minutos haver a reconciliação. E não se pode ignorar a participação de Fiona Shaw como a Sra. Douglas, mais um bom argumento desperdiçado. Como toda a mãe ela não acredita que Grady pudesse ter uma vida dupla e se recusa a aceitar que tem um neto bastardo, o que poderia ampliar as possibilidades para o desenvolvimento dos papéis de Garner, Lewis e até mesmo de Olyphant. Todavia, as intenções de Susannah realmente não era cair no dramalhão e sim caminhar na linha tênue entre o chororô e romantismo açucarado. A roteirista e diretora que já escreveu textos com argumentos bem mais elaborados, sendo inclusive indicada ao Oscar por Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento, simplesmente quis dar um tratamento sem glamour a histórias comuns e que envolvem pessoas idem, mas é certo que o título Pegar e Largar faz sentido. A introdução um pouco incomum para um romance é um convite ao espectador abraçar o filme ou abandoná-lo.

Romance - 111 min - 2006

-->
PEGAR E LARGAR - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...