domingo, 10 de agosto de 2014

COISAS DE FAMÍLIA (2005)

Nota 6,5 Química dos protagonistas, ou talvez sua ausência, eleva comédia previsível e batida

Relações familiares. Está aí uma temática que não sai de moda e que rende muitos argumentos interessantes, mas ao mesmo tempo em que é bom ter várias produções do tipo também é prejudicial para elas mesmas. A repetição de assuntos prejudica suas avaliações e acirra as comparações. Quantos filmes você já não viu a respeito do abismo existente na relação entre um pai e um filho? É nesse resultado que Coisas de Família perde muito, sendo até uma produção descartável. Agora se você assistir sem ficar se lembrando que este ou aquele outro filme era melhor pode até se divertir, mesmo com toda a previsibilidade. O que torna o projeto mais interessante é saber que ele foi criado especialmente para homenagear o saudoso Peter Falk. Quem? A turma mais vivida ou adepta de nostalgia deve se lembrar deste nome por conta do seriado “Columbo” no qual ele interpretou o personagem-título por mais de três décadas. Com uma carreira praticamente toda dedicada à televisão, suas poucas atuações no cinema não são muito famosas, mas tudo o que fez certamente inspirou o ator Paul Reiser a seguir o mesmo ofício. Conhecido pela série de TV “Mad About You”, o próprio ator assina o roteiro que felizmente pôde contar com a presença do veterano intérprete em seu derradeiro trabalho. Falk interpreta Sam Kleinman, um idoso que aparece de surpresa no apartamento do filho, o escritor Ben (Reiser), para informar que a esposa fugiu sem mais nem menos deixando um simples bilhete de despedida. O marido tenta minimizar o problema, mas o filho imediatamente começa a ligar para suas irmãs para saber se elas têm alguma notícia e até se surpreende ao perceber que para uma delas agrada se a separação realmente aconteceu. Nitidamente incomodado com a presença do pai, Ben ia desistir de uma viagem rápida que faria para encontrar uma casa no campo para comprar, mas Rachel (Elizabeth Perkins), sua mulher, o convence a levar o idoso junto para distraí-lo, no fundo torcendo para que eles voltassem a ter um bom relacionamento. No entanto, o que era para ser um dia agradável acaba se tornando uma viagem prolongada e com muito assunto a ser esclarecido.

Logo na introdução fica perceptível que relação entre pai e filho nunca foi das melhores. Com ironia, Ben se lembra que irritava a mania de Sam abusar do talco após o banho, uma bobagem, mas que já evidencia que qualquer coisa seria motivo de implicância nesta relação. No entanto, o rapaz não desejava a separação dos pais. Por ironia, justamente quando o pai viveria o pior período de sua vida o filho considerou a melhor fase que viveram juntos. Mal colocaram o pé na estrada e a dupla já está brigando, mas desta vez a discussão é mais séria. Além de bater o carro em uma árvore, apenas um susto sem ferimentos, Ben entrega ao pai uma carta que guardou durante anos em segredo, algo que a mãe escreveu poucos dias antes dele nascer e que o filho só encontrou quando já era adolescente. A revelação de que sua esposa já estava decidida a abandoná-lo há anos choca Sam, mas ele não perde o rebolado, ou melhor, os cacoetes. Cheio de trejeitos para falar e gesticular ele assume o estereótipo clássico do chefe de família, o homem que se dedica demais ao trabalho e justifica sua ausência no lar com bens de consumo, mas que isso não o tornaria um insensível a ponto de sua mulher se sentir tão angustiada. De qualquer forma, o baque foi benéfico. Imediatamente Sam muda seu jeito de agir e quer tentar recuperar os bons momentos que perdeu com seu filho. Assim, decididos a passarem algum tempo juntos, o filme ganha ares de road movie. O pai quer espairecer para ver os rumos que dará à sua vida e o filho quer aproveitar a viagem para se inspirar a escrever um novo livro. Paradoxalmente, o diretor Raymond De Felitta parece não saber como desenvolver o argumento a partir deste ponto e limita-se a alinhavar situações previsíveis, como a tradicional pescaria, e outras desnecessárias, como a sequência passada dentro de um bar de beira de estrada com direito a uma dancinha country. O genérico título Coisas de Família combina com o porte da produção que na reta final apela para o chororô. Mesmo não sendo memorável, a obra é uma bonita homenagem à Falk.  Poucos atores conseguem essa dádiva em vida, mesmo que seu personagem corriqueiramente seja vítima de piadas de flatulência felizmente compensadas com falas deliciosamente insanas, algo típico da idade. 

Comédia - 96 min - 2005 

-->
COISAS DE FAMÍLIA (2005) - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...