domingo, 5 de março de 2017

MAIS QUE O ACASO

Nota 6,0 Romance não vai além de uma publicidade para casal de namorados na época

Não é só no Brasil que os casais famosos tentam lucrar com seus relacionamentos. Entre os astros de Hollywood a prática é bastante comum e certamente anos mais tarde, solteiros ou envolvidos com outras pessoas, devem se constranger quando questionados a respeito de como foi dividir a cena com antigos namorados em determinados filmes. Pior ainda quando em cena também precisaram dividir a cama como foi o caso de Ben Affleck e Gwyneth Paltrow em Mais Que o Acaso. Quando o filme foi lançado eles já estavam separados, o romance foi do tipo relâmpago, mas durou tempo suficiente para aguçar certas pessoas a tentarem lucrar com o relacionamento, a começar pelos próprios atores já que a moça indicou o então namorado para ser seu par romântico. Após trabalharem juntos no premiado Shakespeare Apaixonado, com a loirinha suscitando discussões a respeito de sua interpretação supervalorizada, chegava o momento do casal levar a química da vida real para as telas, mas o resultado é um tanto frio. Affleck vive Buddy Amaral, um bem-sucedido publicitário de Los Angeles que certo dia fica preso no aeroporto por conta de um atraso no seu voo o que lhe dá a oportunidade de conhecer uma bela garota com quem decide passar a noite. Antes disso ele também fez amizade com Greg Janello (Tony Goldwyn), um escritor da mesma cidade a quem o rapaz decide oferecer sua passagem. O problema é que seu ato de camaradagem acaba se tornando uma tragédia. A viagem de avião resulta em um grave acidente e o publicitário passa a se culpar pela morte do pai de família que só queria chegar mais cedo em casa para ver sua esposa e filhos. Amaral então se entrega ao vício em bebidas, uma mera desculpa do roteiro para aproximá-lo da jovem viúva. Seguindo os passos de um manual de recuperação, meses após a tragédia ele decide procurar Abby (Paltrow) para contar tudo o que aconteceu e pedir perdão, porém, acaba se apaixonando pela moça. Embora insista em sempre falar do marido e negar a viuvez intitulando-se divorciada, ela é quem procura insistentemente o rapaz que no início preferia ignorar as investidas. Contudo, quando percebe já está totalmente envolvido com ela e até com os filhos pequenos do falecido. E agora, como contar a verdade?

Segundo longa escrito e dirigido por Don Ross, que carregava elogios pelo independente O Oposto do Sexo, esperava-se mais de alguém que logo em seu trabalho de estreia ousou ao colocar como protagonista e narradora uma personagem antipática e de difícil identificação com o público. Com atores em evidência e a vontade (ou seria imposição?) de realizar um romance do jeitinho que Hollywood gosta, parece que Ross se sentiu pressionado e desperdiçou um sugestivo argumento em prol de um romance tradicional. Em Mais Que o Acaso ironicamente não há acasos, pelo contrário, tudo se encaixa perfeitamente para narrar a aproximação dos protagonistas, o momento de êxtase da relação, o rompimento e a inerente reconciliação. Até uma personagem surge do nada para embolar o romance do casal com uma bombástica e inoportuna revelação. Ross se cerca de clichês do gênero, alguns mal inseridos, diga-se de passagem, e se não realiza um filme de todo ruim, também não vai além do razoável para oferecer uma sessão-pipoca que agrade seu público-alvo, mulheres na casa dos 20 aos 40 anos e que se identifiquem com o drama de Abby que busca uma segunda chance para ser feliz. Paltrow usa e abusa da vulnerabilidade de sua personagem, o que prejudica para nos convencer quando a mesma toma iniciativas de se aproximar de Amaral, este que tem um perfil bem construído por Affleck, apesar do roteiro não explorar o gancho do alcoolismo que poderia fazer o drama romântico ganhar contornos mais interessantes. De qualquer forma, Ross constrói uma história que não subestima a inteligência do espectador e a química entre os protagonistas é o suficiente para garantir o interesse na fita. Pena que o casal da vida real não teve um final feliz. Ao menos não juntos.

Romance - 106 min - 2000

-->
MAIS QUE O ACASO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...